Vitória do Timbu

A classificação não está assegurada, mas ficou muito perto.

O Náutico deu um passo grande para se qualificar ao mata-mata da Série C.

Dentro de casa, saiu atrás, mas virou o jogo sobre o Sampaio Corrêa. Salatiel abriu o placar para os visitantes.

Josa e Jiménez fizeram para o Timbu: 2 a 1.

O resultado é obviamente bom para quem venceu, mas nada desesperador para quem perdeu.

O Sampaio, líder do grupo A, já está classificado, mas teve encerrada sequência de cinco vitórias.

Já classificado, o Sampaio estaciona nos 30 pontos, mas mantém a ponta do grupo.

O Náutico está logo atrás, com 27 pontos.

Sua distância para o primeiro fora da zona do G-4 é de três pontos – com dois jogos ainda a fazer.

No próximo sábado (17), o Náutico visita o Botafogo-PB.

O jogo acontece no Almeidão, às 17 horas (horário de Brasília).

No mesmo dia, mas às 19h15 (horário de Brasília), o Sampaio visita o ABC no Frasqueirão.

Tranquilo e organizado, foi o Sampaio Corrêa que começou melhor.

Sem sentir o peso de jogar na casa do adversário, o time maranhense subiu a marcação, dificultou a saída de bola e, com movimentação, dominou o início da partida.

Chegou perto com falta perigosa de Romano e abriu o placar com Salatiel.

Absorvido o golpe, o Timbu respondeu.

Sem fazer uma grande partida, ocupou os espaços ofensivos e assustou em estocadas.

Mas só conseguiu empatar no finalzinho da etapa. Belo gol de Josa.

Animado pelo empate nos minutos finais, o Náutico voltou com outra postura no segundo tempo.

Mais agressivo, contundente.

Não demorou a virar o jogo.

De pênalti, Jiménez fez o segundo do Timbu.

Aí foi a vez de o Sampaio crescer.

No meio da etapa, entre os 20 minutos do segundo tempo e os 30 minutos do segundo tempo, o time maranhense teve mais volume de jogo e criou chances.

Não fez.

E, na parte final do jogo, ainda viu o Timbu evoluir e se aproximar do gol.

A surpresa do Náutico foi a participação de Thiago no jogo.

O atacante se recuperou de lesão muscular de grau dois na coxa direita e conseguiu estar em campo, fazendo a fumaça de costume na ponta direita.

O Sampaio Corrêa reclamou bastante da arbitragem de Leandro Bizzio Marinho (do quadro de São Paulo).

Pelo pênalti que ele deu contra a equipe após bola no braço do zagueiro Paulo Sérgio, e por não ter dado pênalti a favor do time maranhense, em jogada que os atletas julgaram semelhante ao que gerou o gol do Timbu.

Os autores dos gols alvirrubros foram os dois volantes: Jiménez e Josa.

Mas o centroavante, a quem cabe balançar as redes, também foi bem, mesmo sem cumprir o principal papel.

Rafael Oliveira deu bela assistência para o gol de Josa e cruzou a bola que bateu no braço do zagueiro do Sampaio e virou pênalti.

Reportagem: Globoesporte.globo.com

Adaptação: Eduardo Oliveira

Revisão de Texto: Ana Cristina Ribeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Confirme que você não é um robô. *