VITÓRIA DA ESPERANÇA

A desorganização em quadra e os sucessivos erros quase tiraram a chance do Brasil de conquistar pela décima segunda vez o título do Grand Prix de vôlei.

No jogo decisivo desta quinta-feira (3) contra a Holanda após a derrota para a China na quarta-feira (2), a seleção do técnico José Roberto Guimarães chegou a ficar atrás por 2 sets a 1, mas reagiu no momento decisivo com a entrada da central Bia e conseguiu a virada heroica por 3 sets a 2, com parciais de 25/27, 25/23, 22/25, 25/22 e 15/11, em Najing, na China.

Com uma derrota e uma vitória na Fase Final, agora as brasileiras torcem para a China vencer a Holanda no jogo desta sexta-feira (4), às 8h30, para avançarem para as semifinais do torneio.

Se a Holanda vencer, por qualquer placar, a seleção brasileira está eliminada do torneio.

O Brasil forma ao lado da China e da Holanda o Grupo J da fase final do Grand Prix.

As equipes se enfrentam dentro dos seus respectivos grupos e as duas melhores de cada chave passam à fase semifinal.

O Holanda já começou o jogo abrindo três pontos.

O Brasil acordou em seguida e empatou após um ataque de Rosamaria e um ace de Natália.

Com a Tandara no saque, a seleção cresceu e abriu em 10 a 7.

Mas o bom momento foi seguido por uma sequência de erros, e as holandesas empataram em 12 a 12.

Um ataque de Tandara e o primeiro bloqueio verde e amarelo do jogo, com Rosamaria, colocaram o país de novo no comando.

A partir daí, a parcial foi disputada ponto a ponto.

A Holanda diversificou seus ataques e, com uma pingada, Robin fez 15 a 14.

As brasileiras reagiram rápido e dominaram o placar novamente depois de um ace de Carol.

As holandesas, porém, não desistiram: cresceram no bloqueio e ficaram a um ponto de fechar o set: 25 a 24.

A vitória parcial veio um pouco depois, com uma largadinha da atacante Plak: 27 a 25.

Muito bem no saque, Natália ajudou o Brasil a abrir 6 a 0.

As holandesas acordaram, fecharam o bloqueio e voltaram a pontuar com a estrela do time, a Plak, marcando seis pontos seguidos e empatando o jogo.

Rosamaria soltou o braço para cortar o bom momento adversário.

Um bloqueio de Adenízia e uma bola para fora da Holanda garantiram de novo a boa vantagem: 10 a 6.

Mas o time de Zé Roberto, desorganizado em quadra, seguiu cometendo muitos erros.

Após um de ataque de Natália, levaram a virada: 13 a 12.

Com a entrada da levantadora Macris no lugar de Roberta, e Tandara e Rosamaria nos ataques, a seleção reagiu.

Só que a Plak, de apenas 21 anos, seguiu distribuindo suas bombas.

O jogo mais uma vez ficou equilibrado no fim do set.

No momento decisivo, um ataque da Natália e um bloqueio de Macris fizeram a diferença.

Em seguida, o saque para fora da Holanda confirmou a vitória verde e amarela: 25 a 23.

A seleção voltou para a quadra com a levantadora Macris como titular.

A Holanda, porém, começou melhor, abrindo em 5 a 1.

Com a Tandara aparecendo bem no ataque, o Brasil acordou a tempo de não perder as rivais de vista, caindo para um ponto a distância no placar (9 a 8).

Só que do outro lado a imparável Plak seguiu desequilibrando a partida.

O técnico Zé Roberto tentou mexer mais uma vez no time, trocou a central Adenízia pela Bia, mas a seleção seguiu desorganizada em quadra, cometendo erros bobos.

Roberta também voltou para a quadra e ajudou a ensaiar uma reação, que teve como destaque dois bloqueios seguidos da Carol.

A diferença chegou a cair para apenas um ponto (17 a 16), mas logo a Holanda abriu de novo e administrou a vantagem até fechar em 25 a 22.

O quarto set começou equilibrado.

A primeira vantagem foi do Brasil após bloqueio de Bia: 6 a 4.

Com o passe melhor, as jogadas passaram a sair com mais facilidade.

Mas não demorou muito para a seleção voltar a errar.

Dois erros de ataque seguidos fizeram as holandesas empatarem e virarem o placar em seguida: 12 a 11.

A esperança voltou quando Carol forçou nos saques, e as brasileiras conseguiram uma boa sequência, virando o jogo e abrindo vantagem: 16 a 13.

Destaque no set, Bia conquistou dois importantes pontos com um bloqueio e um ataque: 18 a 15.

Aproveitando o momento ruim e os erros das advsersárias, o Brasil manteve a boa distância no placar até garantir a vitória por 25 a 22, com um belo ataque de Tandara.

No set decisivo, o Brasil começou melhor.

Rosamaria e Tandara soltaram o braço e fizeram a seleção abrir em 4 a 1.

Uma bola de Plak na antena ainda melhora a cenário para o time de Zé Roberto.

Com um bloqueio, a Holanda não deixou as rivais se distanciarem muito, caindo a diferença para dois pontos.

Depois de um belo rali, com ótimas defesas brasileiras, Bia decidiu o ponto no bloqueio: 7 a 3.

A partir daí, a seleção soube manter a tranquilidade para administrar a boa vantagem.

Com uma bola colocada de Tandara e depois bloqueio de Rosamaria, o Brasil fez 15 a 11 e, enfim, pôde respirar aliviado.

Reportagem: Globoesporte.globo.com

Adaptação: Eduardo Oliveira

Revisão de Texto: Ana Cristina Ribeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Confirme que você não é um robô. *