RIO TRICAMPEÃO

O Minas bem que tentou o título da Copa Brasil de vôlei feminino na sua primeira final neste sábado (28) à noite, em Campinas.

Mas com o time mais rodado e mais inteiro a equipe mineira passou para a final jogando até tarde de sexta para sábado uma partida dificílima diante do Osasco, o Rio de Janeiro do técnico Bernardinho mostrou superioridade técnica, tática e física e conquistou o título pela terceira vez (foi campeão também em 2007, sobre o Osasco, e em 2016, sobre o Praia).

A vitória por 3 sets a 0 (25/15, 25/21 e 25/20) mostrou um time, além de mais soberano, com equilíbrio emocional em quadra, ainda que o Minas, depois de dominado no primeiro set, tenha vendido caro a derrota nos dois seguintes.

Uma das maiores atrações da final ficou por conta do duelo das gringas.

De um lado, a holandesa Anne, cravando as maiores pancadas possíveis.

A americana Hooker lutou bravamente também para o Minas reagir, virando bolas fantásticas, mas o time de Bernadinho ainda tinha inspiradas na partida Monique, Gabi, a levantadora Roberta e a experiente e consagrada líbero Fabi, 36 anos, eleita a melhor da partida.

Tinha que dar mesmo Rio de Janeiro.

– Achei que o conjunto fez a diferença Roberta botou todas as jogadoras para atacar, e isso dificultou o Minas.

Nossa defesa também estava boa. Fico feliz também por ter ajudado bem a equipe, disse a oposto Monique, um dos destaques da vitória.

– Acho que foi um jogo muito difícil, o sistema defensivo delas foi muito superior ao nosso.

Não fizemos um bom jogo, paciência.

Mostramos evolução, mas não podíamos cometer os erros que cometemos.

Na hora de decidir, acabamos pecando.

E não foi um bom dia pra mim.

Vou tirar as melhores lições desse jogo, afirmou Rosamaria, resignada com a derrota.

Domínio total no primeiro set

Um Minas tenso com sua primeira final na Copa Brasil.

Um Rio cheio de confiança e com Monique, Anne e Gabi inspiradas.

Não deu outra.

Em 21 minutos, o time de Bernardinho definiu o primeiro set por 25 a 15.

A partida começou com Hooker abrindo 2 a 0 para o Minas, mas o Rio virou para 3 a 2.

Essa foi a tônica no começo: equilíbrio e bons destaques individuais, como Monique.

Mas o Minas passou a errar nas definições, e o Rio abriu 10 a 6.

A partida estava 11 a 6 para o Rio quando Paulo Coco lançou Jaqueline no lugar de Rosamaria.

De um lado, Hooker buscava reação para o Minas mandando verdadeiras bombas, mas Anne e Monique devolviam.

A diferença chegou a 20 a 12.

Gabi também estava impossível e virava bem.

O Minas errava nos ataques.

Com 20 minutos, Gabi fez 24 a 12 no saque.

Set point.

Anne soltou a pancada em cima de Jaqueline.

Em 21 minutos, 25 a 15 para o Rio.

Segundo set mais disputado

O segundo set foi mais disputado.

Mais agressivo, o Minas voltou a abrir 2 a 0.

Mas Anne e Monique não tomavam conhecimento do bloqueio rival e continuavam perfeitas, virando tudo. Inclusive o jogo: 5 a 2.

Paulo Coco pediu outro tempo. Juciely também jogava o fino para o Rio.

Mas o Minas ainda tinha em Hooker sua maior esperança. Jaqueline inflamou a torcida quando estourou o bloqueio do Rio e diminuiu para 7 a 5.

A variação tática do Rio, com boas viradas de jogo e uma defesa mais sólida, com Fabi se desdobrando, impediam no entanto aproximação maior do Minas, que depois de 12 a 7 buscou na garra e com Hooker novamente uma reação para 13 a 10.

Com 14 a 11, o torcedor de Campinas escolheu definitivamente torcer pelo Minas.

O Rio, com time mais rodado, não se intimidou.

Num belo rali de 52 segundos, Anne soltou a bomba santa e fez 17 a 11.

Mas Hooker e uma batida seca de Carol Gattaz deram mais emoção: 17 a 14.

O jogo chegou a ficar 20 a 17.

O Minas diminuiu mais a diferença.

Com 22 a 20, Bernardinho pediu tempo.

Com 23 a 21, Pri Daroit errou o saque.

Set point.

E Gabi cravou 25 a 21: 2 sets a 0 para o Rio, com 28 minutos e 45 segundos.

Emoção até o fim

Soberano na quadra, com Anne, Monique e Gabi distribuindo pancadas e Roberta comandando as viradas de jogo perfeitas, a pressão sobre o Minas logicamente cresceu.

O Rio abriu 2 a 0, mas o Minas, com Carol Gattaz mais presente e Karine tão boa quanto no segundo set, comandaram virada para 3 a 2.

O bloqueio estava melhor, mas era necessário ser mais agressivo.

E dá-lhe Hooker, marcando seu 13º ponto, abrindo 6 a 4 para o Minas e igualando-se a Anne, também àquela altura com 13 pontos na partida.

Com 8 a 6 para o Minas, novo rali, e Anne destilou a potência na mão direita: 8 a 7. Logo depois, a holandesa empatou.

Carol empatou em 9 a 9 para o Rio e comemorou de frente para Jaqueline, que reclamou.

Os nervos estavam à flor da pele.

O Rio abriu 11 a 9 quando Paulo Coco pediu tempo.

O jogo ficou mais tenso. Anne e Monique brilhavam, e a brasileira, quando fez 19 a 17, encostou em Anne, marcando seu 15º ponto na partida, Anne tinha 16.

Num erro de arbitragem num momento delicado no set deu uma bola fora de Jaqueline que foi dentro, o Rio abriu 20 a 18. Jaqueline ficou tensa e errou o saque, o Rio fez 23 a 19.

No set point, por essas coisas do destino, Hooker, a destaque do time, errou.

Era o terceiro título do Rio de Janeiro: 25 a 20.

Reportagem: Globoesporte.globo.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Confirme que você não é um robô. *