Palmeiras é o único a vencer

Palmeiras vence o Internacional no primeiro jogo das quartas da Copa do Brasil.

Verdão joga pelo empate em Porto Alegre para avançar às semifinais.

Colorado precisa vencer por dois ou mais gols de diferença no Beira-Rio.

O Palmeiras abriu vantagem sobre o Internacional na luta por uma vaga nas semifinais da Copa do Brasil.

Em um jogo de muita marcação, disputas mais duras e reclamações com a arbitragem, o Verdão venceu o Colorado por 1 a 0, na arena, no primeiro confronto das quartas de final.

Zé Rafael, aos 21 minutos do primeiro tempo, fez o gol da vitória alviverde.

O Palmeiras joga agora por um empate para avançar na competição.

O Internacional precisa de uma vitória por dois gols de diferença (não há o critério do gol fora de casa) para ficar com a vaga.

O triunfo colorado por um gol de vantagem leva a decisão para os pênaltis.

Quem passar, enfrenta o vencedor do confronto entre Atlético-MG e Cruzeiro.

Palmeiras e Internacional colocaram muita intensidade no início da partida.

Com duas equipes de forte marcação, o jogo ficou truncado no meio de campo e sem espaço no ataque.

O Palmeiras foi efetivo: na primeira chance, abriu o placar.

Aos 21 minutos do primeiro tempo, Bruno Henrique cruzou na medida da direita, Zé Rafael se antecipou e fez de cabeça.

O Colorado quase empatou na saída de bola, mas Weverton fez boa defesa em perigoso chute de Nico López.

E foi só.

Os gaúchos não mostraram força ofensiva para reagir e se concentraram na defesa.

Os paulistas também não tiveram grandes oportunidades.

Zé Rafael e Dudu arriscaram para fora.

Sobrou mesmo muita reclamação dos dois lados com as decisões do árbitro Wilton Pereira Sampaio.

O Internacional voltou do intervalo com D’Alessandro no lugar de Nonato para tentar melhorar a produção ofensiva.

Mas as duas primeiras chegadas foram do Palmeiras, em finalizações de Zé Rafael e Dudu. Felipão posicionou o Verdão mais atrás em busca de um contra-ataque.

Aos 24 minutos do segundo tempo, Deyverson disparou livre pelo meio contra apenas um adversário, mas errou o passe que colocaria Zé Rafael na cara de Marcelo Lomba para desespero da torcida.

Com o rival recuado, Odair Hellmann liberou os laterais do Inter para atacar mais.

A saída de Nico López (entrou Rafael Sobis), porém, tirou do ataque gaúcho seu principal jogador.

O Colorado ainda insistiu nos minutos finais, mas não chegou ao empate.

O desempenho do Palmeiras como mandante tem sido impressionante.

O Verdão chegou nesta quarta-feira (10) ao décimo terceiro jogo consecutivo sem sofrer gols sob seus domínios, são 11 partidas na arena e duas no Pacaembu.

O time não perde há 16 partidas na temporada.

Líder com 5 pontos de vantagem para o Santos, o Palmeiras faz o clássico contra o São Paulo, sábado (13), às 19 horas (horário de Brasília), no Morumbi.

O Internacional, quarto colocado, enfrenta o Athletico, domingo (14), às 16 horas (horário de Brasília), em Curitiba.

Everton marca, mas Grêmio cede empate ao Bahia, e decisão fica para a Fonte Nova.

Tricolor gaúcho sai na frente com gol de Cebolinha, mas equipe baiana busca 1 a 1 com Gilberto e deixa tudo aberto para decisão na Fonte Nova.

De volta à Arena após a conquista da Copa América, Everton marcou e correspondeu com o protagonismo esperado pela torcida.

O mesmo não pode se dizer do Grêmio.

Nesta quarta-feira (10), o xodó da Seleção até abriu o placar, mas viu o Bahia arrancar um empate em 1 a 1 com gol de Gilberto, no jogo de ida das quartas de final da Copa do Brasil.

O empate deixa tudo aberto para o jogo da volta, na próxima quarta-feira (10), às 19h15 (horário de Brasília), na Arena Fonte Nova.

As duas equipes precisam vencer para avançar à semifinal.

Um novo empate leva a decisão aos pênaltis – não há gol qualificado na Copa do Brasil.

Antes da decisão na Fonte Nova, as duas equipes têm pela frente a décima rodada do Brasileirão.

O Grêmio recebe o Vasco no sábado (13), às 17 horas (horário de Brasília), na Arena.

Depois, às 19 horas (horário de Brasília), o Bahia tem pela frente o Santos em Pituaçu.

O Grêmio logou tomou conta da partida, com supremacia na posse de bola.

Mas isso não significou chances de gol.

Em seu estilo habitual, o Tricolor insistiu em triangulações e trocas de passes de um lado a outro, sem conseguir acelerar o jogo para pressionar um Bahia que ocupou o campo de defesa para fechar espaços.

A equipe de Renato Gaúcho custou a criar chances de gol e só levou perigo após os 30 minutos do primeiro tempo.

Jean Pyerre acertou a trave depois de cobrança de escanteio, e André apareceu na pequena área para cabecear, mas mandou sobre Douglas.

Como se esperava, coube a Everton ser decisivo: o atacante sofreu e converteu pênalti para abrir o placar.

O Bahia voltou do segundo tempo com postura mais agressiva e precisou de apenas 3 minutos do segundo tempo, para empatar a partida.

Gilberto aproveitou falha da defesa do Grêmio e de Paulo Victor em cobrança de escanteio e apareceu livre no segundo poste para completar para as redes.

Renato Gaúcho até mexeu na sua equipe, com os ingressos de Luan, Pepê e Felipe Vizeu nas vagas de Jean Pyerre, Alisson e André.

Mas o Grêmio só ameaçou em lampejos individuais de Everton.

E ainda viu o Bahia criar a melhor chance para sair com a vitória.

Artur fez jogada pela direita e obrigou Paulo Victor a fazer grande defesa.

Depois, ele ainda mandou para fora uma chance dentro da área.

Artilheiro e melhor jogador da final da Copa América, Everton voltou ao Grêmio cercado do requinte e da euforia que esses dois feitos despertam em todo o país.

E ele deu resposta à altura, em uma noite em que o Tricolor viveu apenas de sua individualidade.

O Cebolinha deu caneta, infernizou os adversários e ainda foi decisivo: sofreu e converteu o pênalti.

O brilho de Everton nesta quarta-feira (ainda) não teve sabor de despedida.

Em entrevista após a partida, o atacante voltou a tratar seu futuro como “incerto”.

Confirmou ter recebido consultas, mas deixou claro: nada chegou ao clube.

Atrás no placar, o Bahia encontrou o caminho para buscar o empate no segundo tempo pelo lado direito.

E quase saiu com a vitória.

Por ali, Artur infernizou Bruno Cortez e ameaçou o Grêmio duas vezes: obrigou Paulo Victor a fazer milagre e tirou tinta da trave após entrar na área em jogadas individuais.

Ainda antes, o gol nasceu deste mesmo lugar: após cobrança de escanteio da direita, Gilberto apareceu no segundo poste para desviar para o gol.

Renato Gaúcho encanta os gremistas com uma idolatria que rende até estátua na esplanada da Arena.

Mas até o ídolo máximo do clube não está imune às críticas.

O técnico viu a torcida reagir com vaias no segundo tempo quando optou por tirar Jean Pyerre para a entrada de Luan.

Uma reação inédita, ao menos com esta intensidade, desde que assumiu o cargo, em 2016.

Com emoção e VAR de sobra, Athletico e Flamengo empatam em Curitiba.

Equipe ficam no 1 a 1 em jogo ofensivo e com muitas polêmicas.

Duelo de volta será na próxima quarta-feira (10), no Maracanã.

Técnico Jorge Jesus fez estreia no time carioca.

Athletico-PR e Flamengo empataram em 1 a 1 nesta quarta-feira (10), na Arena da Baixada, no jogo de ida das quartas de final da Copa do Brasil.

A partida foi cheia de emoções, com muitas polêmicas e gols anulados após consultas ao VAR.

Léo Pereira marcou o gol do Furacão, e Gabigol fez o do Flamengo.

Jorge Jesus teve sua estreia no comando da equipe carioca e mostrou uma postura muito ativa à beira do campo.

As equipes voltam a se enfrentar na próxima quarta-feira (10), às 21h30 (horário de Brasília), no Maracanã.

Não há o critério de gol fora de casa.

Caso aconteça um novo empate, a disputa vai para os pênaltis.

A partida foi cercada de polêmicas, e o árbitro de vídeo precisou ser muito acionado.

No primeiro tempo, foram dois gols anulados do Athletico por causa de impedimentos.

Na segunda etapa, outra lance que gerou muita polêmica.

Marcelo Cirino foi derrubado por Renê dentro da área, e Anderson Daronco marcou o pênalti.

Após quase 7 minutos de revisão, foi marcada uma falta em cima do zagueiro Rodrigo Caio na origem do lance.

O Athletico ainda reclama de um lance no início da partida em que o goleiro Diego Alves colocou a mão na bola fora da área, e poderia ter sido expulso.

O atacante foi, pelo lado do Flamengo, quem mais teve oportunidades de marcar.

A primeira, a mais clara, foi após passe de Arrascaeta, mas ele desperdiçou de cara para o gol.

O camisa 9, no entanto, foi decisivo ao empatar a partida.

Aproveitou cobrança de lateral de Renê, o vacilo da defesa e tocou por cima do goleiro Santos.

Reportagem: Globoesporte.globo.com

Adaptação: Eduardo Oliveira

Revisão de Texto: Ana Cristina Ribeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Confirme que você não é um robô. *