OS ÚLTIMOS MINUTOS DE USAIN BOLT

No fim das contas, Usain Bolt era humano.

A expectativa por um grand finale na carreira do velocista mais vencedor de todos os tempos fez com que os holofotes ignorassem a ameaça que se desenhava.

Enquanto o jamaicano se despedia, um velho conhecido apresentava suas credenciais como o maior estraga-prazeres do Mundial de Londres.

Vaiado todas as vezes que pisou na pista do Estádio Olímpico de Londres, Justin Gatlin foi comendo pelas beiradas sem alardes.

Quando chegou a hora, mais uma vez ignorou o público para voar na pista.

Deu o troco por Pequim, quando levou a prata por apenas um centésimo.

Cravou 9s92, sua melhor marca na temporada e sagrou-se bicampeão mundial dos 100 metros.

O título anterior foi conquistado há 12 anos, em Helsinque 2005.

Aos 35 anos, Gatlin agora é o mais velho a levar o ouro da prova mais rápida do atletismo.

Após fazer sinal de silêncio para a torcida, Gatlin reverenciou Bolt.

O jamaicano, que largou muito mal e foi incapaz de se recuperar mesmo fazendo seu melhor tempo no ano (9s95), terminou em terceiro lugar.

A medalha de prata foi para o novato Christian Coleman, selando a dobradinha americana com 9s94.

Após a prova, Gatlin minimizou as vaias e fez questão de exaltar novamente Usain Bolt.

“Eu procurei não focar nas vaias.

Eu estava focado no que tinha que fazer. Acho que as vaias vêm por eu ser o rival de Usain.

Não tive vaias em 2010, em 2011, em 2012, aqui, em 2013, 2014 ou 2015.

A noite é de Usain.

Ele é o cara.

Me inspira a ser um competidor mais forte e rápido.

Eu desejava todos os anos a ser o seu principal rival.

Desenvolvemos um grande respeito entre nós.

Muitas pessoas da mídia pensam que nos odiamos, mas na verdade, é o oposto.

Nós fazemos piadas, vamos a festas juntos.

Não tenho nada que não seja muito respeito por ele. Mesmo sendo mais velho, ele é uma grande inspiração para mim”, disse Gatlin.

O tempo desta final refletiu o que se viu ao longo de toda temporada.

Os 9s92 de Gatlin são a pior marca alcançada por um campeão dos 100 metros desde o Mundial de Paris, em 2003.

Com o revés, Bolt termina sua história na prova no mesmo patamar de outros dois grandes nomes do esporte.

Carl Lewis e Maurice Greene, com três títulos cada, são, ao lado do jamaicano, os maiores vencedores da prova no evento.

“Claro que fiquei (um pouco desapontado).

Se não ganho, sempre vou ficar desapontado.

Mas eu sabia que se minha largada não fosse boa, seria uma corrida muito difícil e foi exatamente o que aconteceu.

É difícil ficar triste.

Tem toda a energia que o público me passa.

Me mostram tanto amor.

Então, é muito bom receber todo esse carinho”, disse Bolt.

A carreira do Raio, no entanto, ainda não chegou ao fim.

O jamaicano terá a chance de se redimir como último homem do revezamento 4×100 metros da Jamaica em busca do pentacampeonato da prova.

As eliminatórias serão às 6h55 (horário de Brasília) do próximo sábado, dia 12 de agosto.

Normalmente o Raio só corre as finais, mas desta vez há a expectativa sobre sua participação também nesta primeira fase.

A disputa de medalhas será no próprio sábado, às 17h50.

Reportagem: Globoesporte.globo.com

Adaptação: Eduardo Oliveira

Revisão de Texto: Ana Cristina Ribeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Confirme que você não é um robô. *