Manaus e Ituano conquistam acesso

Sob recorde de público, Manaus goleia Caxias-RS, ascende à Série C e faz história.

Com direito a quatro expulsões e jogador hospitalizado, Gavião goleou rival por 3 a 0 na Arena da Amazônia e garantiu acesso ao Amazonas após 20 anos de fracassos.

Caxias, em compensação, fica na trave novamente.

O Manaus está na Série C do Campeonato Brasileiro.

O Gavião reverteu a derrota por 1 a 0 fora de casa, no débito, e goleou o Caxias por 3 a 0 neste sábado (20), na Arena da Amazônia, pelo segundo jogo das quartas de final da Série D.

Os gols, que colocam o Amazonas na terceira divisão após 12 anos, foram marcados por Rossini, duas vezes, e Mateus Oliveira, já nos acréscimos.

A Arena da Amazônia recebeu nada mais nada menos que 44.121 mil torcedores, recorde desta edição da Série D, com mais que o dobro do ex-público recordista, do América-RN contra o Jacuipense, que recebeu 13.529 pagantes pelo jogo de ida das oitavas de final.

O América empatou em casa e acabou eliminado ao perder fora por 1 a 0.

A marca deste sábado também é a maior da história com clubes amazonenses desde a inauguração do palco, que recebeu quatro jogos de Copa do Mundo.

Em 2014, o Nacional levou 35.773 pagantes contra o Corinthians na Copa do Brasil.

Mandante e em desvantagem, o Manaus entrou mais ansioso que o normal.

Conseguiu trocar passes no campo de defesa, mas, quando passava o meio de campo, mostrava pouca criação.

Ainda assim, levou perigo com cruzamento fechado de Diogo Dolem aos 8 minutos do primeiro tempo.

Aos 10 minutos do primeiro tempo, porem, o Caxias assustou mais. Taiberson recebeu passe de Muriel e chegou a estufar as redes, mas foi flagrado em impedimento.

O Gavião chegou de novo aos 12 minutos do primeiro tempo, com chute de primeira de Hamilton da entrada da área, mas Lee fez boa defesa.

O jogo ficou cada vez mais duro, com diversas faltas e cartões amarelos.

O Gavião era ligeiramente superior, tanto que teve a melhor oportunidade aos 35 minutos do primeiro tempo, com Diogo Dolem.

Recebeu cruzamento dentro da área, contou com desvio de Mateus Oliveira no primeiro pau e quase abriu o placar.

Não fez o gol e acabou com uma lesão grave.

Foi acertado na cabeça por Eduardo Diniz na jogada, caiu desacordado no gramado e foi prontamente encaminhado para o hospital mais próximo.

Vitinho entrou em seu lugar, mas nada criou até o final da primeira etapa.

O Caxias voltou mais ofensivo do intervalo.

Logo aos 6 minutos do segundo tempo, Taiberson recebeu passe no lado esquerdo, já dentro da área, e chutou cruzado, mas a bola explodiu no travessão antes de sair pela linha de fundo.

Aos 17 minutos do segundo tempo, Derlan recebeu passe na intermediária, avançou com liberdade e mandou uma bomba no canto esquerdo de Lee, que foi nela e salvou o Caxias.

Sem mais nada a perder, Fajardo foi ousado e sacou o lateral Negueba para colocar o meia Evair.

O Manaus, então, cresceu na partida.

Aos 26 minutos do segundo tempo, Rossini explodiu a massa esmeraldina.

Vitinho avançou pela direita e cruzou na pequena área.

Mateus Oliveira matou no peito e rolou para trás, para chegada de Rossini.

O camisa 10 manda uma bomba, e a bola ainda bateu na trave antes de estufar as redes.

E o Rossini queria mesmo o rótulo de herói.

Evair cobrou escanteio na esquerda, a bola passou por todo mundo, e Vitinho apareceu livre no segundo pau.

Cruzou fechadinho, e Rossini fez o segundo.

Aos 48 minutos do segundo tempo, Vitinho puxou contra-ataque e deixou Mateus Oliveira na boa para matar o jogo.

Depois do terceiro gol do Manaus, aos 48 minutos do segundo tempo, uma confusão tomou o gramado da Arena da Amazônia.

Jogadores do Caxias reclamaram demais de um possível toque de mão do camisa 99.

A partida ficou paralisada por cerca de 5 minutos, com direito a três expulsões.

Foram mais cedo para o vestiário o próprio Mateus Oliveira, autor do gol, e Patrick Borges, que estava no banco.

Eduardo Diniz foi expulso pelo Caxias.

Diogo Dolem, do Manaus, levou a pior após quase abrir o placar no primeiro tempo.

Levou um chute sem qualquer intenção na cabeça, aparentemente sofrendo uma concussão no gramado.

Companheiros tiraram a camisa para abanar o camisa 7, até que uma ambulância entrou em campo e levou o jogador para o hospital mais próximo.

Estava consciente ao chegar no hospital, esperando apenas os exames.

Estádio lotado, presença da torcida, e pressão.

Foi o que aconteceu no estádio Etelvino Mendonça neste sábado (20).

Indo para cima e sabendo que precisava do resultado, o Itabaiana abriu o placar logo cedo com Luiz Paulo.

Acoado, o Ituano esperava pelas ações do rival para tentar sair no contra ataque, mas nada de assustar no primeiro tempo.

Até que entrou em ação o goleiro Pegorari.

Foi o CARA do Ituano no jogo.

O arqueiro fez grandes defesas em chutes de David e Luiz Paulo e garantiu o acesso do Ituano para a Série C.

Impulsionado pela torcida, o Itabaiana começou em cima e logo abiu o placar, após Aurélio bater escanteio na cabeça de Luiz Paulo, que se antecipou aos zagueiros e cabeceou forte para o fundo das redes!

O Tremendão continuou na pressão, mas errava muito em lançamentos longos e cruzamentos.

Faltava criação e isso facilitava a marcação do time do Ituano.

Essa foi a tônica de toda primeira etapa no Etelvino Mendonça

Na volta do intervalo o Itabaiana tentou voltar da mesma forma que começou o primeiro, na pressão.

Porém a marcação do time paulista foi muito boa.

Entrou em cena aquele que não deixou quase nada passar: Pegorari.

O goleirão do Galo de Itu fez grandes defesas quando foi exigido e, no final, garantiu o acesso do Ituano em uma finalização de David, fazendo excelente intervenção.

Agora o Ituano espera os confrontos desre domingo para saber quem enfrenta nas semi finais.

O Itabaiana não tem mais competições para disputar em 2019.

Reportagem: Globoesporte.globo.com

Adaptação: Eduardo Oliveira

Revisão de Texto: Ana Cristina Ribeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Confirme que você não é um robô. *