GRÊMIO E BOTA NA LIDERANÇA DE SEUS GRUPOS

O Grêmio precisava de pouco, quase nada. Bastava uma vitória magra sobre o Zamora, saco de pancadas e ainda zerado na tabela, na noite desta quinta-feira (25) para carimbar a vaga nas oitavas de final da Taça Libertadores da América com a liderança do Grupo 8.

Mas diga a isso para Luan, Lucas Barrios e Pedro Rocha.

Aliás: diga isso a todos os comandados de Renato Gaúcho. Parecia até treino de ataque contra defesa, mas o Tricolor, endiabrado, foi soberano para amassar o venezuelanos e vencer por 4 a 0 na Arena.

E para avançar com a terceira melhor campanha geral da primeira fase da competição continental.

A partida no Defensores del Chaco era confronto direto por uma vaga nas oitavas de final da Libertadores, mas nem parecia.

Guaraní do Paraguai e Deportes Iquique fizeram uma partida amarrada e com poucas chances de gol.

Melhor para o time paraguaio, que avançou para a próxima fase da competição graças ao 0 a 0 em Assunção.

A equipe chilena vai disputar a Copa Sul-Americana.

Sabe aquele dito popular de que tem coisas que só acontecem com o Botafogo?

Nesta Libertadores ele dita o ritmo alvinegro positivamente.

Até mesmo perdendo, as coisas dão certo.

Na noite desta quinta-feira (25), o time de Jair Ventura caiu por 1 a 0 para o Estudiantes na Argentina, mas contou com a sorte porque na Colômbia o Atlético Nacional venceu por 3 a 1 (com dois gols contra do Barcelona de Guayaquil).

Justamente a diferença no placar que dava aos brasileiros a primeira colocação do Grupo 1 no saldo de gols.

Com os mesmos 10 pontos dos equatorianos, o Glorioso terminou com um gol a mais que seu concorrente na relação gols pró e contras.

Atual campeão, o Atlético Nacional venceu o Barcelona de Guayaquil por 3 a 1 em Medellín, mas quem celebrou mesmo a vitória foi o Botafogo.

O triunfo fez pouco efeito para os colombianos, que já estavam eliminados e não conseguiram a vaga na Sul-Americana.

Mas com os dois gols de diferença, os verdolargas deram a primeira colocação do Grupo 1 da Libertadores para a equipe brasileira, que perdeu para o Estudiantes por 1 a 0, mas teve saldo de gols melhor que os equatorianos.

Para avançar às oitavas de final sem depender do resultado de River Plate X Independiente Medellín, o Emelec precisava vencer em casa nesta quinta-feira (25).

E foi o que buscou desde o início.

Sem ser ameaçado pelo Melgar no estádio George Capwell, o time equatoriano fez uma partida de ataque contra defesa, dominou do início ao fim e venceu por 3 a 0 para confirmar a vaga na próxima fase.

Caiu o invicto.

Jogando com um time praticamente reserva apenas Fernández e Alario eram titulares, o River perdeu para o Independiente por 2 a 1 nesta quinta-feira (25).

No dia em que completou 116 anos, os Millionarios poderiam ter um resultado diferente, mas Alario perdeu pênalti logo aos três minutos de partida.

Na volta do intervalo, os visitantes marcaram duas vezes em nove minutos, com Hernández e Mosquera, encaminhando a vitória contra uma equipe sem criatividade.

Na reta final da partida, Mina diminui para o River, mas era tarde demais.

Com o término da fase de grupos da Libertadores, os torcedores e clubes terão que esperar para conhecer os confrontos das oitavas de final da competição.

A Conmebol sorteará os duelos somente no dia 14 de junho, em Luque, no Paraguai, em sua sede.

O evento estava anteriormente marcado para o dia 7, mas foi postergado devido aos jogos da data FIFA.

As partidas de ida estão marcadas para os dias 4, 5 e 6 de julho.

Os classificados às quartas só serão conhecidos no mês seguinte, nos dias 8, 9 e 10 de agosto.

No sorteio, a Conmebol já definirá o cruzamento até a final.

As 16 equipes classificadas serão divididas em dois potes: os primeiros colocados ficam no pote 1, e os segundos estarão no pote 2.

Atlético-MG, Grêmio, Palmeiras, Santos e Botafogo estarão no pote 1.

O Atlético-PR é o único brasileiro que integra o pote 2 e, portanto, pode enfrentar qualquer uma das outras cinco equipes do país.

Se não enfrentar um compatriota, o Furacão terá um time argentino pela frente. River Plate, Lanús e San Lorenzo fecham o pote 1.

O sorteio será usado pela primeira vez pela Conmebol.

Antes, a entidade definia os confrontos com base na campanha da fase de grupos.

O melhor primeiro colocado enfrentava o pior segundo, e assim por diante.

Nesta edição, o desempenho decidirá apenas a ordem das partidas.

Dono da melhor campanha, o Atlético-MG mandará o segundo jogo até uma possível final.

Terceiro melhor, o Grêmio só não decidirá em Porto Alegre caso enfrente o Galo ou o Lanús.

Equipes do mesmo país poderão se enfrentar na decisão.

É bom lembrar que a final não considera o gol marcado fora de casa como um critério de desempate.

O Brasil busca reconquistar o título após quatro anos.

A última taça da Libertadores erguida por uma equipe brasileira foi em 2013, pelo Atlético-MG.

O futebol brasileiro também tenta não ficar fora da final pelo quarto ano seguido.

O último representante na final foi justamente o Galo.

O Brasil não fica tantas vezes fora de uma decisão desde o período entre 1985 e 1991.

Veja a composição dos potes, com os times ordenados conforme o desempenho:

POTE 1 (primeiros colocados)

Atlético-MG (Brasil)

Lanús (Argentina)

Grêmio-RS (Brasil)

River Plate (Argentina)

Palmeiras-SP (Brasil)

Santos-SP (Brasil)

Botafogo-RJ (Brasil)

San Lorenzo (Argentina)

POTE 2 (segundos colocados)

Godoy Cruz (Argentina)

Guaraní (Paraguai)

Emelec (Equador)

Barcelona de Guayaquil (Equador)

Atlético-PR (Brasil)

The Strongest (Bolívia)

Jorge Wilstermann (Bolívia)

Nacional (Uruguai)

Reportagem: Globoesporte.globo.com

Adaptação: Eduardo Oliveira

Revisão de Texto: Ana Cristina Ribeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Confirme que você não é um robô. *