FINAL EM GRANDE ESTILO

Uma final improvável.

Assim pode ser considerada a decisão do Grand Prix entre Brasil e Itália, que será realizada às 8h30 (de Brasília) deste domingo (6) com transmissão ao vivo da Globo, SporTV e do GloboEsporte.com.

A seleção brasileira, comandada por José Roberto Guimarães, superou uma primeira fase inconstante, quase ficou fora das semifinais, mas fez uma partida excelente contra a Sérvia, vice-campeã olímpica, para chegar à final.

Já as italianas eliminaram a China, dona da casa e medalha de ouro na Olimpíada de 2016.

O Brasil busca sua décima segunda conquista na história do torneio, enquanto a Itália tenta o primeiro título.

“Tudo está valendo a pena, a gente volta da forma como foi, a gente vence a Sérvia, com as coisas saindo de acordo com a gente treinou.

Fiquei bem satisfeito com a semifinal, agora é esperar a final”, disse José Roberto Guimarães, que comandou o Brasil em oito títulos.

A seleção brasileira sofreu para passar da primeira fase.

Bem inconstante, só foi conseguir a vaga entre as seis melhores equipes ao vencer os três jogos do último quadrangular, disputados em Cuiabá-MT.

Na fase final, o time começou com derrota por 3 a 0 para a China, depois bateu a Holanda, de virada, no tie-break e teve que torcer na última rodada.

As asiáticas precisavam passar pelas holandesas.

Foi no sufoco, saindo de 10 a 14 no tie-break, salvando quatro match points, para garantir o Brasil na semi.

“A gente passou tanta coisa neste Campeonato.

Eu queria muito estar nessa final e, com muito sacrifício, estamos aqui.

Estaremos firme e fortes na final.

Essa é a vida do atleta”, disse Adenízia, campeã olímpica em 2012 e uma das mais experientes do time.

O elenco brasileiro do Grand Prix conta com apenas três campeãs olímpicas: Adenízia, Tandara e Natália.

Destaque do time nos últimos anos, Gabi, machucada, não foi chamada.

Após os Jogos do Rio, Fabiana e Scheilla disseram que não voltam mais para a seleção, enquanto Dani Lins, grávida, não pôde particiar deste Grand Prix.

Thaísa passou por uma cirurgia recentemente, enquanto Fernanda Garay pediu dispensa. Jaqueline pode voltar para o time no ano que vem.

“A gente em um novo ciclo, com meninas novas é mais difícil.

Esse time quase nunca jogou junto.

A gente ainda está se conhecendo, mas conseguimos provar para nós mesmos o que somos capazes. Estamos aí, em mais uma final de Grand Prix.

Que essa geração possa ser tão vitoriosa quanto a outra”, disse Natália, uma das líderes do time atual.

A seleção italiana está renovada, com grande parte do elenco abaixo dos 25 anos.

Na Olimpíada do Rio, o time acabou eliminado ainda na primeira fase.

Neste Grand Prix, foram seis vitórias e três derrotas na primeira fase, depois, na fase final, caiu diante da Sérvia, mas bateu os Estados Unidos. Na semifinal, passou pela favorita China.

Neste Grand Prix, Brasil e Itália não se enfrentaram nenhuma vez.

Ano passado, porém, com times totalmente diferentes dos atuais, a seleção verde-amarela derrotou a Itália duas vezes por 3 a 1 na primeira fase do próprio Grand Prix.

Em 2014, no Campeonato Mundial, porém, as italianas venceram o Brasil na semifinal.

O Brasil conquistou os títulos do Grand Prix em 1994, 1996, 1998, 2004, 2005, 2006, 2008, 2009, 2013, 2014 e 2016, sendo o maior campeão da história do torneio.

Foi, ainda, vice-campeão em outras cinco oportunidades.

Estados Unidos, com seis conquistar, é o segundo maior campeão da história.

Reportagem: Globoesporte.globo.com

Adaptação: Eduardo Oliveira

Revisão de Texto: Ana Cristina Ribeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Confirme que você não é um robô. *