FIM DO SONHO

Um título que parecia fadado a ser decidido da marca do pênalti.

Pior para a Chapecoense que essa oportunidade surgiu ainda com bola rolando para o Urawa Red Diamonds.

Em jogo de baixo nível técnico e raras oportunidades de gol, os japoneses fizeram 1 a 0 com Abe, em penalidade, já nos acréscimos do segundo tempo, e ficaram com o título da Copa Suruga, nesta terça-feira (15), no Saitama 2002 Stadium, no Japão.

Além do troféu, o Verdão volta para o Brasil com premiação reduzida em menos da metade e pressionado no Z-4 do Brasileirão.

A Chapecoense terminou a partida revoltada com a atuação do trio de arbitragem coreano.

Ao apito final, os jogadores reclamaram da marcação de falta de Grolli dentro da área, no lance que definiu a partida ainda durante o duelo, os atletas impediram a cobrança e tentaram fazer o árbitro mudar a decisão.

Nos minutos finais, houve ainda insatisfação com a demora para substituição de jogadores do Urawa e impedimentos marcados.

No fim, a delegação aplaudiu ironicamente a saída do trio para o vestiário.

O revés no Japão aumenta a pressão para cima da Chapecoense na volta ao Brasil.

Sem vencer desde o dia 23 de julho, quando bateu o Vitória, em Salvador, o Verdão tem quatro derrotas nos últimos cinco jogos e está na zona de rebaixamento do Brasileirão com um jogo a menos.

Domingo (27), o compromisso é contra o Palmeiras, às 19 horas (de Brasília), na Arena.

Três dias depois, há duelo com o Corinthians, em jogo atrasado, em Chapecó.

Lucro.

Muito no lucro.

A Chapecoense foi para o vestiário com motivos para comemorar depois do primeiro tempo.

Isso pelo simples motivo de o placar continuar 0 a 0.

Sem atitude e acuado diante de um adversário que abusava organização, mas carecia de técnica e criatividade, o Verdão foi totalmente dominado, ao ponto de sequer ameaçar o gol de Enomoto.

Os 66% de posse de bola dos japoneses ajudam a comprovar a superioridade.

Apesar da nova formação, a Chape foi nula no meio-campo e, nas raras chance em que tentou sair para o ataque, apelou para bolas esticadas para Apodi.

O Urawa, por outro lado, demonstrava tranquilidade e tinha campo para pensar o jogo.

Aí que morava o problema. Menos mal para os brasileiros que os japoneses tratavam ao redor da área e nada fizeram além de bolas aéreas.

A Chapecoense voltou melhor para o segundo tempo e equilibrou as ações. Com maior posse de bola, conseguiu se manter no campo ofensivo e minimizava os riscos.

Apodi, por sua vez, seguia como a melhor opção e, na base dos cruzamentos, os brasileiros passaram a rondar o gol de Enomoto.

O placar de finalizações que chegou a estar 0 a 2 passou para 7 a 3 em pouco mais de 20 minutos.

Se o jogo aéreo era a solução mais simples, a primeira grande oportunidade surgiu pelo meio, quando Luiz Antonio achou Arthur Caike nas costas da zaga.

Enomoto fechou bem o ângulo e impediu o gol.

A Chapecoense tinha o jogo sob controle diante de um Urawa que parecia conformado com os pênaltis.

A oportunidade de cobrar a infração máxima, entretanto, surgiu antes para os japoneses. Grolli derrubou Zlatan na área.

Abe cobrou já aos 47 minutos do segundo tempo e definiu o título.

Na décima edição da Copa Suruga, os japoneses aumentaram a vantagem para 6 a 4 sobre os sul-americanos.

Entre os brasileiros, apenas o Internacional foi campeão em 2008.

Além da Chape, o São Paulo ficou com o vice-campeonato na edição de 2013.

O cunho decisivo da partida não impediu que os japoneses demonstrassem toda solidariedade à Chapecoense por conta da tragédia de 29 de novembro.

Antes da partida, foram exibidas no telão imagem dos brasileiros que atuaram no futebol do país: Cleber Santana, Thiago, Kempes, Caio Jr. e Arthur Maia.

A J-League fez ainda uma doação em dinheiro de 10.685.919 ienes, cerca de R$ 310 mil, arrecadados para reconstrução do clube.

Um dos grandes responsáveis pelo desenvolvimento do futebol do Japão, Zico foi convidado pela organização da Copa Suruga para acompanhar o duelo entre Chapecoense e Urawa Red Diamonds e também recebeu homenagem.

O brasileiro foi ao gramado antes da partida e recebeu uma placa, sendo ovacionado pelo público.

Reportagem: Globoesporte.globo.com

Adaptação: Eduardo Oliveira

Revisão de Texto: Ana Cristina Ribeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Confirme que você não é um robô. *