FICOU PARA SALVADOR

Tudo aberto na final do Nordestão.

No primeiro jogo da final, nesta quarta-feira (17), na Ilha do Retiro, Sport e Bahia empataram por 1 a 1.

O Esquadrão de Aço saiu na frente com Juninho.

Mas, o xará dele, talismã do Leão, empatou o duelo no final da partida.

O campeão será decidido em Salvador, na semana que vem.

Na partida final, quarta-feira que vem, dia 24 de maio, na Fonte Nova, o cenário é este: 0 a 0 favorece o Bahia (que marcou um tento fora de casa).

Já 1 a 1 vai para os pênaltis.

Qualquer outro empate dá Sport (pelo mesmo critério de gols como visitante). E, claro, quem ganhar leva a taça.

Empurrado pela torcida e com a intenção de fazer vantagem no primeiro jogo, o Sport tomou a iniciativa da partida na etapa inicial.

Com uma formação mais ofensiva, em que Ney Franco abriu mão dos três volantes, o Leão teve mais chances que o Bahia.

As principais foram com Rogério e Matheus Ferraz, que acertou até a trave de Jean.

O time de Guto Ferreira, por outro lado, tinha uma proposta mais defensiva.

Cheio de desfalques, o Esquadrão de Aço foi quem entrou com três jogadores de pegada no meio-campo e buscou o contra-ataque.

Quase chegou a abrir com Allione, na frente de Magrão, e marcou com Zé Rafael mas, em decisão polêmica, o árbitro anulou.

Enxergou impedimento de Renê Junior considerando que, mesmo sem tocar na bola, o jogador participou do lance.

Na volta do intervalo, o Bahia voltou melhor.

Mais organizado, com toque de bola, o time de Guto Ferreira abriu o placar.

O Sport sentiu o golpe e poderia ter levado mais, não fosse um milagre de Magrão.

Após alguns minutos de turbulência, o time rubro-negro conseguiu o empate, na estrela de Juninho, que havia saído do banco de reservas.

Após ficar fora dos últimos três jogos por lesão, o meia Diego Souza voltou ao time.

Exceção a dois bons passe que deu para Rogério, ainda no primeiro tempo, não produziu muito.

O garoto Juninho é predestinado. Mais uma vez entrou no segundo tempo e decidiu para o Sport.

Havia sido assim contra o Náutico, no Pernambucano, e contra o Campinense, nas quartas do Nordestão.

Tem muita estrela.

O técnico Ney Franco foi muito cobrado pela torcida do Sport.

Principalmente quando tirou Everton Felipe e, logo em seguida, o Leão levou o gol.

A situação só aliviou quando Juninho empatou, justamente o atleta que ele colocou em campo na contestada alteração.

Ainda assim,a atmosfera não é positiva para ele.

Discreto no primeiro tempo, Juninho atuou na vaga do suspenso Régis, que cumpriu suspensão.

O volante de origem parece ter guardado o gás para a segunda etapa, quando marcou um golaço daqueles aos 11 minutos, depois que a bola sobrou na área.

Foi o terceiro dele na temporada 2017.

Reportagem: Globoesporte.globo.com

Adaptação: Eduardo Oliveira

Revisão de Texto: Ana Cristina Ribeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Confirme que você não é um robô. *