Empate na Venezuela

Caracas e Independiente del Valle fazem jogo morno e sem gols.

Resultado de 0 a 0 permite com que, mesmo sem vencer, os Diablos Rojos possam avançar a próxima fase da Sul-Americana.

Jogando na capital da Venezuela, mais precisamente no Estadio Olimpico de la UCV, nem Caracas nem Independiente del Valle adquiriram alguma vantagem numérica pensando no confronto de volta valendo pelas oitavas de final da Copa Sul-Americana ao empatarem em 0 a 0.

Agora, no embate programado para o dia 17 de julho em Quito, enquanto o vencedor segue em frente, novo empate sem gols leva a disputa para os pênaltis enquanto, caso haja igualdade com gols, o time venezuelano avança pelo critério de gols como visitante.

Apesar do mando ser venezuelano, quem tinha mais a bola em seus pés e de certa forma assumia o protagonismo para ter volume de jogo e domínio da partida era o time de Sangolquí.

Porém, mesmo tendo um ataque formatado na base da velocidade principalmente com os ponteiros Cristian Dájome e Washington Corozo, parecia faltar espaço e agilidade na troca de passes do del Valle para fazer com que a bem postada zaga do Caracas se desorganizasse.

Enquanto isso, os Diablos Rojos, se não sofriam tanto atrás, tampouco eram eficientes nos poucos momentos em que poderiam sair na base do contragolpe e levar perigo a meta defendida por Jorge Pinos.

Os dois times chegaram a apresentar ligeira melhora no aspecto efetividade com a equipe do Equador chegando em chute forte de Alejandro Cabeza bem com um lançamento com ligeira força a mais onde Jesús Arrieta acabou prontamente antecipado por Pinos.

Todavia, ainda pouco pelas campanhas até então na temporada e também para a abertura do marcador no Olimpico de la UCV.

O panorama do confronto praticamente não teve alteração no que já acontecia: posse de bola superior do Independiente del Valle sem a capacidade de ser incisivo o suficiente para lances de maior perigo e, por sua vez, o Caracas sem conseguir sair em velocidade na armação de contra-ataques, parecia de certa forma contente em não levar gols.

Foi somente aos 24 minutos do segundo tempo, que o time visitante conseguiu, de certa forma, fugir da marcação adversária contando com a força física de seu centroavante, Cabeza, e criar uma oportunidade realmente perigosa.

Após ganhar na disputa com a zaga do Caracas, o camisa 9 levantou a cabeça e cruzou na medida para Jhon Sánchez chegar batendo no contra-pé de Alain Baroja e ver ela passar muito perto da meta.

Por pouco o destino não quis que o estreante Gabriel Torres fosse o responsável em abrir a conta para o IDV batendo de primeira aos 32 minutos do segundo tempo, dentro da grande área.

Porém, a arbitragem anulou corretamente o tento em marcação de impedimento.

Os minutos finais, em meio a questão física já mais debilitada dos dois times, fez com que não houvesse a habitual pressão de um dos lados em busca do triunfo.

Já nos acréscimos, o zagueiro Luis Leon bateu falta com ótima categoria e viu ela bater na trave esquerda de Baroja e viu o resultado ficar como começou: sem gols.

Reportagem: Futebolatino.lance.com.br

Adaptação: Eduardo Oliveira

Revisão de Texto: Ana Cristina Ribeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Confirme que você não é um robô. *