EMPATE NA ILHA

A Ilha do Retiro explodiu de várias maneiras diferentes nesta segunda-feira (25).

No empate em 1 a 1 entre Sport e Vasco, os torcedores pressionaram após expulsão de Diego Souza, ainda no primeiro tempo, e reclamaram ao verem Nenê abrir o placar.

Os protestos foram ainda maiores na segunda etapa, quando Sandro Meira Ricci viu toque de mão de Anderson Martins na área, marcou o pênalti, mas voltou atrás ao conversar com o auxiliar.

No fim, os gritos foram de apoio na cabeçada de André, certeira, sem chance para Martín Silva.

Segundo tempo, 24 minutos.

Mena bate forte, a bola explode em Anderson Martins e vai pela linha de fundo.

Sandro Meira Ricci, sem demora, marca o pênalti.

A partir daí, reclamações dos jogadores do Vasco, euforia da torcida na Ilha, mas um chamado.

Marcelo Van Gasse, auxiliar que trabalhava do outro lado, conversa com o árbitro.

Após mais de quatro minutos, Sandro volta atrás e anula o pênalti, para desespero de Luxemburgo e dos jogadores do Sport.

Foram 20 minutos de Diego Souza em campo, mas tempo suficiente para mudar o jogo na Ilha do Retiro.

Quando o Sport mandava no jogo na primeira etapa, o camisa 87 virou o grande personagem da noite.

Ao sofrer falta de Wellington na faixa central, Diego reclamou muito com Sandro Meira Ricci, que mostrou amarelo para os dois jogadores.

Não satisfeito, seguiu a reclamação e terminou expulso.

Chutou a bola para o alto, saiu indignado de campo, mas sem falar com ninguém.

Nenê não marcava há quase três meses, mas abriu o caminho do Vasco na Ilha do Retiro.

Após expulsão de Diego Souza, ainda no primeiro tempo, o meia aproveitou bola açucarada de Pikachu para empurrar para a rede.

Nenê não marcava desde a vitória por 1 a 0 contra o Atlético-GO, no dia 25 de junho.

Foi o terceiro gol dele no Brasileirão.

Reportagem: Globoesporte.globo.com

Adaptação: Eduardo Oliveira

Revisão de Texto: Ana Cristina Ribeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Confirme que você não é um robô. *