Brasileiro de Futebol Feminino

Guia do Brasileiro Feminino A-1: tudo sobre a elite do futebol nacional.

Principal torneio do futebol feminino brasileiro começa neste sábado (16).

Feminino A-1 terá novo modelo de disputa, ajuda de custo da CBF (Confederação Brasileira de Futebol) e 16 clubes na briga.

A disputa do Campeonato Brasileiro Feminino A-1 de 2019, a elite do futebol feminino nacional, começa neste sábado (16).

No ano que promete ser o divisor de águas para a modalidade , não faltam ingredientes para todo mundo ficar ligado na disputa.

Dezesseis clubes participam na edição 2019, que passou por reformulações no regulamento.

Confira abaixo tudo o que você precisa saber para acompanhar o torneio:

Quem são os participantes?

Quando o torneio começar, neste sábado (16), 16 clubes irão lutar pelo troféu do Brasileirão Feminino A1.

São eles: Corinthians-SP, Santos-SP, Sport-PE, Flamengo-RJ, Vitória-BA, Ponte Preta-SP, Ferroviária-SP, São José-SP, Vitória-PE, São Francisco-BA, Kindermann-SC, Iranduba-AM, Foz Cataratas/Athletico-PR, Audax-SP, Minas ICESP-DF e Internacional-RS, estes dois são estreantes no torneio nacional.

De todos os participantes, 13 são remanescentes do Brasileiro Feminino A1 de 2018.

Minas ICESP-DF e Vitória-BA (campeão e vice do Feminino A2 2018, respectivamente) foram promovidos à elite do futebol feminino nacional.

Já o Internacional-RS herdou a vaga deixada pelo Rio Preto-SP.

Os últimos campeões: Até hoje, nenhum clube levantou a taça do Brasileiro Feminino A-1 duas vezes.

Em seis edições do principal torneio feminino do país, seis equipes diferentes foram campeãs: Centro Olímpico-SP (2013), Ferroviária-SP (2014), Rio Preto-SP (2015), Flamengo-RJ (2016), Santos -SP(2017) e Corinthians-SP (2018).

Artilheiras: A primeira goleadora do Feminino A-1 foi Gabi Zanotti, que fechou a disputa do Brasileiro em 2013 com 12 gols pelo campeão Centro Olímpico.

Em 2014, foi a vez de Raquel fechar a temporada como artilheira, com 16 gols.

Já em 2015, a artilheira foi Gabi Nunes, então no Centro Olímpico, tendo balançado a rede 14 vezes.

Millene Karine foi a maior goleadora do Brasileiro em 2016, com dez gols no Feminino A-1.

À época, a atacante defendia o Rio Preto-SP.

A única gringa a ser artilheira do torneio nacional foi Sole Jaimes, com 18 gols feitos em 2017, número recorde de gols na competição.

A última jogadora a ostentar a marca de artilheira foi Dany Helena, do Flamengo, com 15 gols feitos em 2018.

Uma curiosidade: à exceção da argentina Sole Jaimes, todas as artilheiras do Brasileiro Feminino A-1 já passaram pela Seleção Feminina.

Gabi Zanotti e Raquel estavam no grupo que levou o ouro dos Jogos Pan-Americanos de 2015, enquanto Millene Karine integrou o elenco campeão da Copa América 2018.

Gabi Nunes e Dany Helena também já foram convocadas para defender o Brasil.

Recordes de público: A cada ano, o futebol feminino conquista mais fãs pelo país.

O Brasileiro Feminino A-1 já arrasta milhares de torcedores aos estádios pelo Brasil, como também é responsável por alguns recordes de público da modalidade.

Na semifinal de 2017 entre Iranduba e Santos , 25.371 compareceram à Arena da Amazônia para prestigiar o duelo.

O confronto, que terminou 2 a 1 para as Sereias da Vila, entrou para a história como o maior público de um jogo entre clubes do futebol feminino nacional.

Ainda em 2017, por exemplo, o maior público da Vila Belmiro (casa do Santos-SP) na temporada foi na final do Feminino A-1.

Há dois anos, o clássico decisivo contra o Corinthians teve cerca de 15 mil pessoas presentes, enquanto o melhor público masculino (Santos-SP e The Strongest (Bolívia)) teve 13.132 presentes.

Clubes recebem suporte financeiro da CBF: Visando fortalecer o cenário do futebol feminino nacional, a CBF irá arcar com diversos custos do Brasileiro Feminino A-1, aliviando a saúde financeira dos clubes.

As equipes irão receber benefícios de ordem financeira como passagens rodoviárias até distâncias de 500 km limitadas a 25 pessoas ou aluguel de ônibus, a critério do clube visitante.

Além disso, a entidade será responsável por fornecer as passagens aéreas, para delegações limitadas a 25 pessoas, para distâncias superiores a 500 km.

Haverá, ainda, a cobertura das despesas de alimentação e hospedagem, para delegação visitante limitada a 25 pessoas, quando atuar fora da sua cidade-sede.

Nas partidas como visitante, cada clube irá receber a ajuda de custo de até R$5.000,00 (cinco mil reais).

Já nas partidas realizadas em sua jurisdição, cada clube receberá valores de até R$10.000,00 (dez mil reais) para cobertura das despesas com arbitragem, ambulâncias, gandulas e exame-antidoping.

Modelo de disputa: A competição ganhou novos moldes para o ano de 2019.

Antes, os 16 clubes eram divididos em dois grupos de oito cada.

Agora, todas as equipes integram uma mesma chave.

Os oito melhores colocados se classificam à segunda fase, quando serão disputadas as quartas de final.

A partir dessa etapa, os classificados serão definidos em jogos de ida e volta.

Fim do gol qualificado e pênaltis: Nada de critério do gol fora de casa!

O critério de desempate não será mais usado a partir deste ano.

Um empate na soma dos placares das quartas de final e/ou fases seguintes do Brasileiro Feminino A-1 leva a disputa aos pênaltis.

Mandos de campo: Na terceira e quarta fases (semifinal e final), a definição dos mandos de campo dos duelos de volta atende a três critérios.

São eles: maior número de pontos ganhos em toda a competição (soma das fases); maior número de vitórias em toda a competição (soma das fases) e maior saldo de gols em toda a competição (soma das fases).

Se mesmo após todos os critérios, os clubes permanecerem empatados, o mando será definido através de sorteio.

Olho no Mundial!

Não faltam motivos para 2019 ser um ano promissor para o futebol feminino nacional, mas o Brasileiro Feminino A-1 é um atrativo à parte.

Além da briga pela taça em si, será possível prestigiar atletas como Andressinha, Dany Helena, Gabi Zanotti e Millene, para citar apenas algumas das craques que entrarão em campo.

O torneio ainda pode servir como vitrine para a Copa do Mundo Feminina, que será disputada em junho, na França.

Um bom desempenho das jogadoras no Brasileirão A-1 pode render uma vaga no grupo da Seleção: nas últimas três convocações feitas pelo técnico Vadão, 19 atletas atuavam em território nacional.

Reportagem: CBF.com.br

Adaptação: Eduardo Oliveira

Revisão de Texto: Ana Cristina Ribeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Confirme que você não é um robô. *