BRASIL FORA DA COPA AMÉRICA

Nada é tão ruim que não possa piorar.

Depois de perder para o México e não ter mais chances de classificação à segunda fase da Copa América, o Brasil precisava vencer Porto Rico para atingir um dos seus objetivos na competição, que é a classificação para os Jogos Pan-Americanos de Lima, em 2019.

Contudo, a equipe comandada por César Guidetti voltou a decepcionar na competição em Medelin, na Colômbia, e pode ficar de fora do Pan pela primeira vez.

Com mais uma atuação irregular, o Brasil foi derrotado por 89 a 80 por Porto Rico, terminando o grupo A em terceiro, à frente apenas da Colômbia.

Classificam-se para Lima 2019 os sete primeiros colocados da Copa América.

O Brasil agora aguarda o desfecho dos grupos B e C para saber a sua posição final no torneio.

Com uma vitória e duas derrotas, a seleção brasileira precisa torcer para uma improvável combinação de resultados.

O primeiro critério de desempate é o número de vitórias, seguido por saldo de pontos.

O grupo B, com sede em Baía Blanca, Argentina, tem Argentina, Ilhas Virgens, Canadá e Venezuela. Sediado em Montevidéu, o grupo C tem Uruguai, Estados Unidos, República Dominicana e Panamá.

Com 23 pontos marcados, o porto-riquenho Rodriguez foi o cestinha da partida.

Pelo lado brasileiro o maior pontuador foi Léo Meindl, com 17. Ao todo, César Guidetti utilizou 11 jogadores no duelo deste domingo (27).

Na véspera, a Confederação Brasileira de Basquetebol (CBB) havia afastado Bruno Caboclo por indisciplina.

As duas seleções começaram a partida muito nervosas, e o Brasil só foi conseguir os seus primeiros pontos com quase quatro minutos jogados, quando Leo Meindl diminuiu para 4 a 2.

No minuto seguinte, o ala Jimmy subiu para fazer 6 a 4, colocando os brasileiros na frente pela primeira vez.

Num chute certeiro de três pontos de Alexander Abreu, Porto Rico fez 9 a 6, voltando a liderar o placar.

O jogo seguiu lá e cá até o fim do quarto, quando os porto-riquenhos pontuaram três vezes seguidas, vencendo o quarto por 18 a 14.

O Brasil continuou encontrando dificuldades no segundo período.

Léo Meindl abriu o placar da parcial com duas cestas de lance livre, mas logo Porto Rico voltou a disparar.

Após cesta de três de Rodriguez (26 a 18), Cesar Guidetti pediu tempo.

Apesar da parada, os porto-riquenhos seguiram dominando os minutos seguintes, principalmente quando o endiabrado Rodriguez fez 29 a 18.

O Brasil só foi buscar a reação nos segundos derradeiros, após duas cestas de três de Renan.

Com os 35 a 31 no placar, as esperanças para o segundo tempo foram renovadas.

O terceiro quarto começou com Diaz pontuando para Porto Rico.

O Brasil respondeu com bola certeira de três de Meindl.

Pouco depois, Mineiro ganhou na força e cortou a diferença para um ponto: 37 a 36.

Só que Rivera acertou um chute para três, esfriando a reação brasileira.

Refeita do golpe, a equipe verde-amarela voltou a equilibrar o jogo, e, a cinco minutos do fim, Renan fez 4 1 a 41.

O lance foi a senha para a seleção porto-riquenha acordar e voltar a dominar o confronto.

Em dois minutos, o placar já era de 58 a 50 para Porto Rico, que foi para o último quarto vencendo por 62 a 54.

O Brasil foi para o tudo ou nada no quarto período.

Só que Porto Rico montou um forte esquema de marcação, neutralizando as principais jogadas brasileiras.

Após sofrer uma falta durante um chute para três pontos, Renan foi para três lances livres.

Depois de converter os dois primeiros arremessos, ele jogou a terceira bola no aro para Léo Meindl pontuar no rebote: 67 a 63 para Porto Rico.

Numa bola de três de Lucas Mariano, o Brasil cortou a diferença para dois pontos 69 a 67.

Só que as coisas se complicaram após a saída de Fúlvio, que excedeu o limite de faltas.

A partir daí, os porto-riquenhos passaram a controlar o jogo, confirmando a vitória por 89 a 80.

Reportagem: Globoesporte.globo.com

Adaptação: Eduardo Oliveira

Revisão de Texto: Ana Cristina Ribeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Confirme que você não é um robô. *