Baú do Esquema: Dener

Dener
Dener, um dos maiores craques da história da Portuguesa

Primeiramente, sei que faz um tempão desde o último Baú, mas ele não acabou, fiquem tranquilos. Problemas (técnicos ou não, depende do ponto de vista) dificultaram a redação dessa editoria nas últimas semanas, mas nada que mude a hora do Brasil. Falando nisso, amanhã, à meia noite, começa o horário de verão. Enfim…Todas as sextas voltaremos a falar um pouco sobre grandes jogadores do passado aqui, nesse site, que é a escória o supra sumo da crônica esportiva brasileira.

Hoje, vamos relembrar de um cara que teve menos de cinco anos de futebol profissional. No entanto, deixou saudades pois tinha uma habilidade tremenda na pernas. Dener Augusto de Sousa, nascido em 2 de abril de 1971, no Rio de Janeiro, deixou seu nome gravado com pouquíssimo tempo de atividade, em um dos raríssimos casos em que lembramos de um jogador que não ganhou grandes títulos.

dener2Meia atacante habilidoso, dono de dribles desconcertantes e arrancadas avassaladoras, Dener foi o principal destaque da Lusa na campanha do título da Copa São Paulo de Futebol Júnior, em 1991, sobre o favorito Grêmio. No mesmo ano, foi integrado ao time principal, onde marcou 38 gols em 101 jogos. Assim como Paulo Henrique Ganso prefere a assistência ao invés do gol, Dener dizia que preferia driblar o adversário a bater para o gol. Veja abaixo dois vídeos que demonstram a habilidade do cara:

 

Em 1993, foi emprestado ao Grêmio. Mesmo com apenas três meses no Sul do país, fez parte do time que venceu o estadual daquele ano. A Portuguesa, no entanto, sempre dificultou sua negociação em definitivo. O jovem jogador despertara o interesse de grandes clubes do Brasil, sobretudo do estado de São Paulo. O Corinthians fez de tudo para contratá-lo, mas a Lusa não queria perdê-lo para um rival, então voltou a emprestá-lo para um grande de outro estado. Dessa vez, o Vasco da Gama.

Pelo Vasco, Dener não chegou sequer a terminar o estadual de 1994 (título vencido pelo cruz-maltino). Ele morreu em acidente de carro no dia 19 de abril daquele ano, no Rio de Janeiro. O meia estava no banco de passageiro de seu carro, o Mitsubshi Eclipse do qual o jogador tanto se orgulhava.

Dener deixou viúva e três filhos. Após sua morte, a família que tinha direito a parte do dinheiro do seguro do jogador foi surpreendida com a notícia de que o jogador não tinha um seguro pois o Vasco, clube responsável no contrato a tratar do mesmo, não fez qualquer seguro em nome do jogador. A família reclamou na justiça os seus direitos e após dez anos de julgamento o tribunal decidiu em definitivo que o Vasco da Gama deveria pagar à família e à Portuguesa de Desportos quantia referente ao seguro.

A Portuguesa recebeu a sua parte, porém a família do atleta precisou mover uma ação judicial contra o clube carioca para receber o dinheiro, pois o clube não reconhecia Luciana Gabino como esposa legítima de Dener, já que, apesar de estar com o jogador desde os 18 anos e de ser a mãe dos seus filhos, não era oficialmente casada com ele. Após treze anos de disputas judiciais, o clube e a viúva de Dener chegaram a um acordo para o pagamento da dívida.

, , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Confirme que você não é um robô. *